sábado, 2 de janeiro de 2016

Campanha do Figueirense de Carazinho em 2004

FIGUEIRENSE FUTEBOL CLUBE: RETROSPECTIVA DA TRAJETÓRIA NO CAMPEONATO MUNICIPAL DO ANO DE 2004.


    O Figueirense Futebol Clube tinha pouco mais de seis meses de fundação e um objetivo inicial unir o esporte a família. Inicialmente seus jogos eram sempre excursões para o interior do município de Carazinho e amistosos contra equipes de localidades vizinhas, a mudança iniciou com a aproximação do certame municipal da 2º Divisão de Futebol de Campo no município de Carazinho/RS que iniciaria no ano de 2004.
      A equipe já tinha uma base de jogadores consolidada, pois vinha enfrentando grandes equipes do interior dentre elas: Flor da Serra de Igrejinha;  Maravilha de Serra do Pontão; Cabral de Santo Antonio; Aurora de Rondinha; Serramalte de Chapada em grandes jogos despertando a atenção de jogadores e desportistas de toda região. Mas para a disputa do campeonato que estaria se aproximando teve que buscar novos jogadores para agregar o grupo, mesclando juventude com experiência já que para muitos jogadores seria seu primeiro campeonato.
      O grupo para o campeonato ficou com a seguinte formação: goleiro Pablo então com 16 anos, iniciante que depois seria a revelação do campeonato, laterais: Fernando e Vande, zagueiros: Beto, Leonel e Nelson (a melhor defesa do campeonato e com menos cartões), volantes Márcio Picolé (incansável no estilo antigo centro médio) e o experiente Ricardo “Oreia” multicampeão em diversos clubes da cidade, meio-campo: Adriano “Pezinho” que estava em ótima forma, Jefinho aposta do clube que também seria revelação do campeonato, Dani Careca, e o diferencial Fred, a grande contratação do clube vindo da cidade de Pejuçara/RS, o ataque: os estreantes Rogério, André “Paiaká” e o camisa nove, o homem gol André “Peixe” que já jogara inclusive em times profissionais, fechando o elenco Jonas e os pratas da casa Joelson e Felipe, a comissão técnica era formada por Cristiano Silva o treinador, Alberi auxiliar técnico e Paulo o massagista.
    A estreia aconteceu no Estádio Paulo Coutinho frente a badalada equipe do EC São Jorge (que era apontada como favorita e ao término do mesmo sagrou-se a campeã) que contava com jogadores profissionais com passagens por diversos clubes do estado, o Figueira (como é carinhosamente chamado) aguentou a pressão da estreia e a boa técnica do São Jorge conseguindo o empate em zero a zero um ótimo resultado.
    A próxima rodado foi frente a equipe do Esportivo do bairro Wincler clube que situava-se na mesma região, o jogo era considerado um clássico entre os bairros, em um jogo tenso como era esperado o figueira abre o placar com um gol de pênalti marcado por André Peixe,o jogo começa a ficar truculento e na segunda etapa o Figueira sede o empate: fim de jogo 1x1.
     A tão esperada vitória viria na terceira rodada frente a equipe do São Sebastião em um domingo chuvoso, na única oportunidade no campeonato que a equipe do figueira pode estar completa, a memorável vitória de 6 a 1 em uma apresentação de luxo, onde Jefinho começou a brilhar e com dois gols de placa, Fred mostrou toda sua categoria, a defesa perfeita dos zagueiros Beto e Leonel que praticamente neutralizaram o famoso atacante “Pintinho” vindo da cidade de Não-Me-Toque/RS, além do placar elástico ao fim do jogo o São Sebastião contabilizou 5 cartões amarelos e 3 expulsões.
     O próximo compromisso foi contra a equipe do Santos da Vila São Lucas conhecido por ser um time pesado e truculento ,o figueira muda a formação tática e entra com uma linha de três zagueiros (NELSON entra de zagueiro central e Beto começa com a função de líbero) Jefinho e Adriano dão velocidade ao meio campo,em um dia inspirado de André Paiaka o figueira vence fácil de 2x0.
    Para seguir para as semifinais o Figueira não poderia perder o próximo jogo que seria contra a equipe do Juventude do bairro Princesa ,uma equipe experiente e "encardida" (no linguajar futebolístico) este jogo foi o maior embate da história do Figueirense, o jogo foi disputado no campo do Glorinha que virou uma verdadeira arena, diga-se com mais de 400 pessoas ao redor prestigiando com transmissão das rádios locais, o jogo como era de se esperar foi tenso e a equipe do juventude que era o atual campeão da cidade , contava com um dos maiores craques da história do futebol amador de Carazinho o “nego” Tiano ,e quis o destino que logo ele em um lance de falta por cima da barreira encobrisse o goleiro Pablo e abrisse o marcador logo nos primeiros 15 minutos, aquela seria a primeira vez que o figueira saía em desvantagem em todo o campeonato,o silêncio tomou conta da arena Glorinha e o apito do término do primeiro tempo começa a decretar a angustia do que seria o segundo tempo.
    No intervalo Ricardo o mais experiente de todos chama a responsabilidade para si passando tranquilidade e motivando o grupo, ao retornar para a etapa final o que si viu foi a superação de um grupo, muito mais que jogadores e sim amigos,enfim o figueira conseguiu jogar de igual pra igual,mostrando seu futebol,o gol não demoraria muito a sair,em um lance que iniciou no meio campo e em jogada rápida pela ponta direita o cruzamento chegaria ao pé do camisa nove André Peixe empata a partida decretando o fim do silêncio no campo, nada ainda estava decidido o jogo era lá e cá,pura emoção e nos minutos finais o goleiro Pablo se transforma em um verdadeiro paredão,um gigante.......Fim de jogo o Figueira está na semifinal eliminando o atual campeão.
     A composição do cruzamento que levaria a final ficou da seguinte forma Figueirense X EC Internacional do Bairro São Jorge, o fato inusitado aconteceu quando o CMD (Conselho Municipal de Desporto), órgão responsável pela organização do Certame que de forma “inexplicável” altera a data da partida que já estava estabelecida, fator este que impossibilitou o Figueira de contar com alguns jogadores e o grupo também já estava reduzido devido as suspensões automáticas.
     Com tamanho desfalques o figueira vai para a partida que lhe possibilitaria chegar a grande final,o jogo começa com respeito mútuo entre as equipes até que em uma lance isolado Jefinho de pé esquerdo solta uma bomba indefensável abrindo o placar e o caminho para o figueira.
Restavam apenas 45 minutos para o término,quando as coisas começam a mudar,em um lance na área Márcio Picolé comete pênalti e o inter chega ao empate,ainda assim o empate levaria o figueira para a final por ter tido melhor campanha na fase de classificação,porém o impensável acontece: o centroavante ZICO em lance individual coloca no fundo da rede virando o jogo e decretando única derrota do figueira em todo o campeonato e o impossibilitando de chegar a grande final daquele ano.
     Passados mais de dez anos a lembrança desta formação e da bela campanha do Figueirense Futebol Clube fica na memória de todos aqueles que participaram e de alguma forma contribuíram para o consolidar dentro do cenário esportivo de Carazinho e região, mantendo a proposta inicial do clube: ESPORTE, FAMÍLIA E AMIZADE


Colaboração: Christiano Naza

Nenhum comentário:

Postar um comentário